24 maio 2007

Dias cinzentos...



O sol já há muito que não brilha aqui no largo onde vive este vosso amigo.

A chuva e as nuvens têm tingido de cinzento o céu, mas não é por isso que o sol deixou de brilhar. O sol já não aquece o largo porque o AR-tur desapareceu.

A última vez que esteve aqui na praça o AR-tur teve uma visita.
Apareceu uma jovem.
Não era a mais bela mulher à face da terra, mas o seu rosto miudo emoldurado por uma cascata de brilhantes caracóis chamaram a minha atenção.

Vi quando a jovem apareceu, perto da hora em que os miudos começam a sair para o recreio da escola. Parou junto dos táxis e ali ficou durante alguns momentos a observar o AR-tur.
Durante esse período, ele permaneceu imóvel. Nem um piscar de olhos ou um tremor. Nada. O AR-tur era um verdadeiro Homem Estátua.

Enquanto isso, o olhar da jovem parecia triste.
Pareceu-me que hesitava em se aproximar do AR-tur. Mas ao fim de alguns minutos dirigiu-se para a minha árvore e ficou frente-a-frente com o meu amigo.

Não sei dizer se o AR-tur já tinha reparado nela anteriormente, mas posso afirmar que só naquele momento em que o seus olhos se cruzaram é que ele se moveu.

O AR-tur estava visivelmente nervoso.
Desceu do banco onde se encontrava e abraçou ternamente a jovem.
Depois disso, afastaram-se um pouco e vi que trocavam algumas palavras. Do cimo da minha árvore não consegui entender o que diziam, mas pareciam-me ambos bastante emocionados.

Nunca antes o AR-tur tinha recebido visitas ali no largo. Ninguém lhe conhecia outros amigos.
Por isso era tão intrigante o aparecimento repentino daquela jovem mulher.

No entanto, embora curioso, não consegui saber quem era.
Quando me preparava para descer da árvore e aproximar-me de ambos, o AR-tur pegou nas sua mala e afastou-se com a jovem. Vi quando ambos se dirigiram para o outro extremo do largo e começaram a subir a rua onde o AR-tur morava.

Foi a ultima vez que o vi por aqui.
Desde então já lá vão duas semanas, e o meu amigo nunca mais apareceu. Os dias aqui no largo ficaram mais tristes.

Passados alguns dias fiquei a saber que aquela jovem era irmã do AR-tur. Ouvi quando a D. Joana da mercearia falava com uma das suas freguesas. Ela disse que a irmã do AR-tur o tinha vindo buscar porque o pai de ambos se encontrava muito doente. Segundo ela, o AR-tur tinha partido de vez.

O meu companheiro tinha partido?
Naquela hora pensei que a D. Joana estava enganada, mas até hoje não voltei a saber do AR-tur.

.....................................................................................


Este espaço surgiu, inicialmente, para vos contar as histórias do AR-tur.
Mas não só...

O desaparecimento do AR-tur não vai ditar o desaparecimento deste espaço.

Por aqui irei continuar.

Neste espaço continuarei a dar conhecimento dos meus pensamentos, bem como de tudo aquilo que observo do cimo da minha árvore.
Entretanto, procurarei saber por onde anda o AR-tur.
Alguém saberá dar-me noticias do meu amigo?

Saudações felinas a todos.
Miaaauuuuuuuu!!!

6 comentários:

sonhadora disse...

e um amigo verdadeiro vale mais que o dinheiro.
Beijinhos embrulhados em abraços

Moura ao Luar disse...

Um beijo de bom fim de semana

Memórias de Um Sorriso Luso disse...

Sim...um prazer.

Vou ler-te.Escreve.

Take care

Baby disse...

Legal seu blog, parabéns

RESSACA ® disse...

Pedindo antecipadas desculpas pela “invasão” e alguma usurpação de espaço, gostaríamos de deixar o convite para uma visita a este Espaço que irá agitar as águas da Passividade Portuguesa...

fastmidia - hospedagem de site disse...

Parabéns pelo post.